Um almoço e um jantar no Gostoso

 

gostoso aruba salao1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Fazia tempo que eu tinha vontade de conhecer o restaurante português/arubiano Gostoso. Os leitores do tripadvisor que se deram o trabalho de deixar uma crítica, o deixaram no 1º lugar entre os restaurantes de Aruba,  então eu tinha que comprovar por mim mesma.

Localização

Chegar ao Gostoso não é muito fácil, convenhamos. Não que ele esteja longe. Ele fica no centro, mas fica numa rua bem escondidinha, em frente ao antigo hospital. O google mudou as regras do google maps para fazer a gente pagar, assim que agora o mapa não aparece bonitinho como antes, mas quem quiser ver um jeito fácil de chegar sem se perder, deem uma olhada:

Almoço

A primeira oportunidade de ir ao Gostoso foi um almoço num belo domingão de novembro. Como eu estou trabalhando desde novembro (cobrindo uma licença-maternidade até o fim de março) não é sempre que estou a fim de cozinhar no domingo. Então, no dia que o maridão falou: vamos almoçar fora? eu não pensei duas vezes. Ligamos para fazer a reserva e aproveitei para já ver o menu de almoço on-line. Não são todos os restaurantes de Aruba que necessariamente você tem que ter reserva, mas como nunca se sabe, a gente prefere sempre ligar antes.

Eu gostei do site do restaurante, é simples e acessível. E eu acho que ter o menu com preços on-line é uma mão na roda. Em primeiro lugar, porque você pode ter uma ideia do que eles servem e se todo mundo da família vai ter alguma coisa que gosta. E em segundo lugar para já ter uma ideia do preço e não ter surpresas na conta. Outra coisa que eu gostei foi ver os preços em florins que dão uma sensação de familiaridade.

O Gostoso é um restaurante familiar, fundado por José do Nascimento, um português nascido na ilha da Madeira e criado em Aruba. O menu reflete isso, com toques portugueses e caribenhos.

O restaurante é pequeno (eu contei oito mesas para dentro e duas para fora) e aconchegante, José e sua família vivem nos fundos dele e pelo o que eu notei, ele faz tudo por lá. Ele é o chef e também faz as vezes de hostess, quando tem tempo, vindo cumprimentar os hóspedes e explicar os pratos. As paredes são cobertas de azulejos e outros mimos da terrinha, da Holanda e até da Espanha.

Nós escolhemos do menu de almoço por um preço fixo de Afl. 40,50 (uns $23) sem incluir bebidas. Pode-se pedir a la carte também, mas como tudo o que queríamos estava no menu, ficamos com ele.

gostoso aruba parede1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Para começar pedimos o tal sushi criollo (para quem não sabe, em espanhol, criollo se refere a uma comida típica de um lugar, não tem nada a ver com raça), que era um sushi enrolado numa banana, em vez de alga. Eu achei diferente, mas ficou com gosto de sobremesa, então para o meu gosto, não achei legal começar comendo algo doce. De todos os modos, fomos para comer algo diferente e valeu.

gostoso aruba criollo sushi 1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Sushi criollo

De segundo prato, eu pedi a bacalhoada (Bacalhau Portuguese Style do menu) e o marido pediu Steak di Lomito a Caballo, que é o tradicional bife a cavalo do Brasil. Os dois estavam gostosos e bem feitos.

gostoso aruba bacalhau1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Bacalhoada

gostoso aruba lomito caballo1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Bife a cavalo

A sobremesa foi o ponto baixo para mim, pedi um bolo de chocolate e ele era suspeitamente idêntico ao vendido num grande supermercado da ilha e bem sem graça. Meu marido pediu o pudim de côco (no menu aparece como quesillo de coco) e gostou. Nós pedimos para beber uma sangria, que estava deliciosa, por sinal. Todos os restaurantes de Aruba oferecem água com gelo, assim que às vezes nem pedimos bebidas à parte.

Na hora da conta, uma surpresa. os valores não pareciam bater. Achamos estranho porque a nossa conta era bem fácil de fazer: tínhamos pedido 2 menus, 1 pasta bolonhesa para a filhota e 1 sangría. Eles adicionam 15% de gorjeta à conta, como a maioria dos restaurantes de Aruba faz. Como a conta tinha vindo só com o valor total, pedimos para ver o detalhe das bebidas e lá constataram que o garçom de bebidas tinha posto um valor de outra mesa na nossa e a conta foi revista, o garçom se desculpou.

Jantar

Em dezembro, resolvemos voltar, desta vez para um jantar com meus sogros. Na temporada de natal, a maioria dos restaurantes oferece um menu especial, com 3 ou 4 pratos por um preço fixo. Mas fiquem de olho, nem sempre o garçom te dá essa opção. Quando nós chegamos, por exemplo, o garçom nos trouxe um menu a la carte normal e só quando perguntamos se havia algum menu especial é que ele trouxe o menu de natal. Então fica a dica: sempre pergunte se existe um menu especial, você pode dar a sorte de conseguir um early bird ou qualquer outro menu comemorativo.

gostoso aruba menu natal 1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Na nossa mesa acabamos optando alguns pelos bolinhos de bacalhau (pasteis de bacalhau) e outros pela lula empanada (calamari breaded). Tudo uma delícia!

gostoso1 1024x683 Um almoço e um jantar no Gostoso

Lula empanada

gostoso aruba bolinho bacalhau 1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Bolinho de bacalhau

De prato principal, o meu sogro foi de especial de frutos do mar e dourada (seafood special) que eu até teria experimentado se não tivesse um molho à base de leite de côco. Eu sei que tem gente que adora a combinação de leite de côco com peixe, mas coisas doces no meu prato salgado não me inspiram muito. De todos os modos ele adorou.

gostoso aruba seafood 1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Especial de frutos do mar

Nós outros três fomos de surf & turf. Não sei se existe um nome para isso em português, mas essa é uma denominação para qualquer prato que combine carne vermelha com peixe e/ou frutos do mar. O surf & turf naquele dia era filé mignon com tempurá de camarões gigantes. Estava divino, de comer rezando.

gostoso aruba surfnturf 1 Um almoço e um jantar no Gostoso

Surf & turf

Aliás, entre o primeiro e o segundo prato, todos ficamos tão cheios que trocamos a sobremesa por um café ou chá.

O único porém da noite foi a hora da conta, de novo. Como nós tínhamos convidado meus sogros, eu fiquei encarregada fazer os acertos. Fui até o caixa, conferi a conta, estava tudo certinho. Tinha dado $180 para os 5, com bebidas e tudo. Até aí tudo bem. Daí eu vi que eles não tinham adicionado os 15% de gorjeta, então disse para o caixa arredondar para $200. Bem na hora de passar o cartão o caixa viu que não tinha posto os 15% e falou: ficou faltando a taxa de serviço. Daí, ele alegremente adicionou $27. Resultado: acabamos pagando generosos $47 de gorjeta, em vez de $27. Bom, nem tudo é perfeito. Da próxima vez, vou ficar mais esperta.

 

O nosso jantar “early bird” no Taste of Belgium

Em dezembro, eu e maridão fizemos 9 anos de casados e ganhamos dos meus sogros um vale-presente do restaurante Taste of Belgium.  Então semana passada aproveitamos que a filhota de 6 anos se independizou, decretando que vai dormir todas 6as na casa dos avós e resolvemos fazer um kit jantar+cinema.

O Taste of Belgium fica no shopping Palm Beach Plaza Mall, onde também tem um complexo de salas de cinema. Como o filme (The Hobbit) começava às 20:45h, resolvemos ir mais cedo para aproveitar o nosso jantar tranquilamente.

Chegamos e fomos simpaticamente recebidos pela supervisora do lugar, uma jamaicana muito amável e sorridente que nos deixou escolher a mesa que queríamos. A seguir veio o garçom de bebidas que nos deu o cardápio de bebidas e gentilmente disse que a gente pedisse logo, ainda aproveitava a promoção de 2×1 da happy hour. Pedimos duas piñas coladas porque eu não bebo cerveja, mas os cervejeiros têm à sua disposição um cardápio com especialidades belgas.

taste of belgium pina 1024x768 O nosso jantar early bird no Taste of Belgium

 

taste of belgium cerveja1 768x1024 O nosso jantar early bird no Taste of Belgium

Algumas das especialidades

A seguir, veio a garçonete de comida e nos deu uma melhor surpresa ainda: como faltavam 5 min. para as 19h, nós ainda tínhamos o direito de escolher do menu early bird. Para quem não sabe, a expressão early bird, em inglês, se refere a pessoas com o hábito de fazer tudo mais cedo, acordar cedo, comer cedo e dormir cedo. Normalmente são pessoas mais velhas e quem tem pais ou avós que almoçam às 11h e jantam às 17:30h podem por a mão aqui. icon wink O nosso jantar early bird no Taste of Belgium Como uma forma de tornar seus restaurantes mais rentáveis, alguns restaurantes fazem menus com desconto, como uma forma de não deixar o restaurante vazio num horário que não costuma atrair a maioria das pessoas. O menu costuma ter um preço fixo com poucas opções de pratos e é oferecido das 17h às 19h.

O bom foi que nós fomos ao Taste of Belgium preparados para pagar caro. Até brincamos que o gift certificate de $30 só ia dar para pagar a sobremesa, então a dupla surpresa de comida e bebida mais baratos nos fez ficar felizões antes mesmo de comer, huahuahua. O early bird menu custa $27,50 e te dá 2 opções de entrada, 2 opções de prato principal e uma escolha entre sobremesa ou café. Não sei se todos os dias é igual, mas no dia que fomos dava para escolher entre uma salada ou uma sopa de cogumelos de entrada, uma garoupa ou um filet mignon com molho de cogumelos de prato principal e a sobremesa era uma bola de sorvete com salada de frutas. Nós dois escolhemos igual: sopa e filet mignon.

taste of belgium sopa cogumelos O nosso jantar early bird no Taste of Belgium

Sopa diliça com pãozInho

taste of belgium filet mignon O nosso jantar early bird no Taste of Belgium

Filet mignon tão molinho que nem precisava cortar…

Pelo o que a gente notou, todos os pratos principais vinham com as batatas fritas típicas da Bélgica, que sempre vem em um cone e com maionese e ketchup de acompanhamento. A sopa estava ótima, mas o filet mignon estava di-vi-no. A carne era tão macia que nem precisava cortar, era só dar uma puxadinha com o garfo e a faca, o molho dava a vontade de lamber o prato. Eu nem consegui terminar a sobremesa de tão cheia que estava mas as frutas estavam fresquinhas e o sorvete eram bons também. Meu marido finalizou o jantar com um chá de hortelã que era bem gostosinho e fresco.

taste of belgium sobremesa O nosso jantar early bird no Taste of Belgium

Sobremesa

taste of belgium cha menta O nosso jantar early bird no Taste of Belgium

Olhem que copo de chá mais lindo

No final a conta deu $64 e veio sem taxa de serviço (existem restaurantes que incluem e outros não), sendo que nós acrescentamos $11 de gorjeta porque estávamos realmente satisfeitos com tudo: com o fato deles terem oferecido o menu early bird para escolher (muitos restaurantes têm essa opção, mas nem sempre os garçons avisam, olhem a pegadinha), com o fato do garçom de bebidas também nos ter alertado para a promoção 2×1 da happy hour e com tudo em geral.

Agora vejam se valeu à pena: no site do restaurante dá para ver que a sopa custa $6.50 e o “filet mignon Belgique” $26.75. Isso sem nem contar a salada de frutas com sorvete que não fazem parte do menu “normal”, então não podemos comparar o preço.

Assim que fica a dica para aqueles que se dispuserem a sair um pouquinho mais cedo da praia a tempo de ter um jantar mais econômico. Também é uma boa pedida para quem tem crianças pequenas que provavelmente vão estar cansadas de brincar o dia inteiro na praia e não vão aguentar estar acordadas para um jantar mais demorado. icon smile O nosso jantar early bird no Taste of Belgium

Nossa visita ao Zeerover

Muita gente considera o Zeerover um lugar obrigatório da lista de onde comer em Aruba. E por incrível que pareça, até o domingo passado eu não conhecia, hehehe. Confesso que essa afirmação sempre chocou muitos amigos, conhecidos e turistas, todos fãs de carteirinha e a verdade é que o lugar tem muita clientela fixa e móvel.

Como chegar

O Zeerover fica em Savaneta, que é um distristo de San Nicolas, então é uma boa pedida para quem estiver indo ou voltando de Baby Beach e Rodgers Beach. É super fácil de achar, desde que você saiba a entradinha para ele. Como nenhum turista sabe, eu fiz um mapinha com duas linhas, uma mostra como chegar vindo de Baby Beach e outra como chegar vindo dos hotéis. Se vocês forem espertos, podem imprimir antes de vir e não perder tempo das suas preciosas férias rodando sem destino. icon wink Nossa visita ao Zeerover


View Caminho para o Zeerover in a larger map

O lugar em si

Deixa eu começar contando as origens do Zeerover. Se alguém estranhar eu não estar usando o termo restaurante, é porque não é mesmo. O Zeerover (palavra que significa pirata em holandês) é um ancoradouro para pequenos barcos de pesca. Pequenos mesmo, porque aqui a pesca normalmente é um hobby que muita gente tem. Alguns ganham um dinheirinho com isso e vendem em peixerias ou restaurantes e outros só para consumo próprio. Algum tempo atrás, alguns pescadores resolveram comprar umas panelas com cestos para fritura de imersão e assim poder comer o peixe que haviam acabado de pescar. Com o tempo foram pondo mais mesinhas de madeira e depois acabaram passando a vender. E basicamente ficou assim até hoje. Lá não tem uma cozinha (razão pela qual eu me recuso a chamar de restaurante), até hoje tudo é feito nos cestos de fritura ou feito fora, previamente.

Então funciona assim: você chega e não entra. Olhe a fila que tem em frente a um mostrador do lado esquerdo. Daí você vai poder ler o menu permanente. Sempre vai ser o peixe do dia, camarão, banana frita, pan batí (um pão típico de Aruba, que comumente se come com peixes) e cebola à vinagrete. Cartão de crédito ou débito são desconhecidos por lá. Só dinheiro vivo, pode ser dólar ou florim, como em todos os lugares de Aruba.

menu zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

Menu permanente

Então, por curiosidade, você pergunta a uma das senhoras, qual o peixe do dia. No domingo era mahi mahi (dourado).

mahi mahi zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

O nosso fresquíssimo mahi mahi

No mesmo instante que a senhora nos disse qual era o peixe, um pescador chegou com alguns red snapper (pargo vermelho) que ele tinha acabado de pescar. Adoramos red snapper, mas ele ia demorar um tempo para descamar, então ficamos com o mahi mahi, que também é uma delícia.

red snapper zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

O red snapper que não comemos

Daí vem o cálculo do preço, que é a coisa mais imprecisa do planeta. Elas perguntam o quê você vai querer, considerando o número de pessoas como unidade de medida. Então nós pedimos peixe para duas pessoas e meia (porque estávamos com a filhota) batata frita para duas pessoas e pan batí para uma pessoa. Isso sairia por U$ 24. Daí nós dissemos que queríamos camarão também, porque vimos os camarões super graúdos e com uma ótima pinta. Só que a senhora colocou uma quantidade enoorme de camarões e vimos que não íamos dar conta de comer. Depois que ela reduziu (para o que depois contamos em 22!), acabou ficando $ 11 mais caro, contando com uma porção de molho tártaro. Então, convenhamos que é farto e barato.

camarao zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

Depois disso, ela passa o peixe e camarão para o senhor responsável por fritar. Nós pegamos um número e escolhemos alguma mesa para sentar. O único serviço de mesa é na hora em que tudo fica pronto. Eles trazem o peixe e a batata dentro de um cesto com papel para tirar um pouco da gordura, pratos e talheres de plástico e bom apetite!

prato zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

5 postas enoormes de peixe e 22 camarões graúdos, nham, nham, nham

O almoço foi fartíssimo, sobrou batata frita, porque preferimos nos esforçar em terminar o peixe e os camarões. Estava tudo uma delícia, a única ressalva que eu faço é que em algumas postas eu encontrei escamas. Mas uma coisa que é muito charmosa é a própria localização. Você se senta literalmente do lado do mar, com brisa, peixinhos nadando bem pertinho, pode ver o pôr-do-sol, se quiser, enfim super a ver com umas férias gostosas. Todo mundo lá está vestido com short, camiseta, chinelo, bem climão de praia mesmo.

vista mesas zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

Existem mesas dentro e outras do ladinho do ancoradouro

peixe zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

Peixe nadando aos nossos pés. Se alguém souber o nome do compridinho aí, me avise.

pier zeerover aruba Nossa visita ao Zeerover

Também é possível sentar-se no final do píer

Resumindo: vá naquele clima de quem curte comer um espetinho de camarão à beira-mar. Mas se você quiser comer um bom prato de peixe fresco, existem outros restaurantes (que também vendem peixe pescado no mesmo dia) com cozinheiros que sabem fazer outros pratos que não sejam de fritura de imersão. icon wink Nossa visita ao Zeerover

Cinco dicas para o fim de ano em Aruba

Para o pessoal que está chegando para passar Natal e Ano-Novo em Aruba, aí vão algumas dicas de última hora.

1) Não deixe de ver a casa de luz de Seroe Preto. Vai render fotos incríveis e também a oportunidade de experimentar um pouco dos salgadinhos locais, como pastechi (um pastel com massa mais grossa) ou cheeseball. O cheeseball não tem nada a ver com a bolinha de queijo do Brasil, aqui o queijo não é um recheio, mas sim parte da massa. De quebra todas as noites tem shows com grupos de gaita, que tocam as músicas natalinas de Aruba.

2) Aproveite o passeio de carro noturno para ver as rotatórias incrivelmente iluminadas que estão por todas as partes, tanto pelo litoral quanto pelos bairros.

SAM 2267 640x480 Cinco dicas para o fim de ano em Aruba

Rotatória em frente ao Wendys

SAM 2277 640x427 Cinco dicas para o fim de ano em Aruba

SAM 2307 640x427 Cinco dicas para o fim de ano em Aruba

SAM 2347 640x427 Cinco dicas para o fim de ano em Aruba

Rotatória de Tanki Flip

Mas para mim, a melhor rotatória desse ano é a de Wayaca. Eles fizeram um presépio em tamanho natural e que gira. Tentamos fazer um filminho, para tentar dar uma idéia. Para chegar a essa rotatória é simples, ela fica bem em frente ao aeroporto, em direção ao centro da ilha.

3) Em relação às ceias de fim de ano, as minhas recomendações são as mesmas do post que eu fiz sobre onde comer em Aruba. Nós passamos o Natal em casa, então nunca comemos uma ceia, mas se fôssemos comer em algum lugar, provavelmente seria o Amazônia ou Gaucho’s – em Palm Beach – o Matthew’s em Eagle Beach ou o Driftwood, no centro. Eu não escolheria uma ceia num restaurante de hotel, porque normalmente eles tentam agradar aos americanos e eu não sou fã de peru nem molho doce para carnes. Só um conselho ao escolher o lugar da ceia: só saia de perto do hotel se estiver de carro, se você estiver de táxi, escolha um lugar perto, porque depois das 21h, os táxis somem nesses dias de festa.

4) Para o reveillón, cada hotel prepara a sua festa, normalmente após o jantar (você paga a ceia e o show está incluído). O estilo varia segundo o estilo do hotel: normalmente as festas do Hyatt são muito chiques e formais, enquanto as festas do Marriott são mais do estilo de carnaval, com algum show de um grupo famoso daqui, os mais conhecidos são Tsunami, Le Groove e Youth Xtreme. Se você é solteiro e quer uma balada, as opções são poucas. Dois dos lugares que costumam reunir jovens solteiros por aqui são o Moomba Beach, um bar de praia que fica entre o Holiday Inn e o Marriot e o Señor Frogs. Eu sugiro que para saber qual vai ser a festa mais badalada, você vá a um desses lugares e pergunte para os garçons ou frequentadores.

5) Independente de onde você estiver passando o seu reveillón, quando der a meia-noite, tente estar num lugar alto para ver a queima de fogos. A diferença entre ouvir os fogos de baixo e ver os fogos de cima é bem grande. Fique esperto se você resolver pular as ondinhas: as praias de Aruba não tem nenhum tipo de iluminação e de noite o mar é bem mais agitado. Aliás, ir para a praia à noite é considerado um ab-sur-do por aqui. Sério, se você quer chocar um arubiano é falar que quer ir para a praia à noite, eles imediatamente assumem que você quer ir transar, hehehe.

Comidas típicas de Aruba – doces de padaria

SAM 2224 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padariaVai um dente de cachorro aí? Ou quem sabe uma orelha? Que tal experimentar uma caquinha? Opa, não se assuste! São só iguarias típicas de Aruba. icon biggrin Comidas típicas de Aruba   doces de padaria Faz tempo que estou devendo um ou mais posts sobre as comidas típicas de Aruba. O problema é o perfeccionismo. Eu fico querendo ter fotos legais, daí as vezes estou sem a câmera, às vezes falta bateria, às vezes esqueço. Até que eu lembrei que pelo menos uma categoria é fácil de ter fotos: a dos doces de padaria. Então bastou fazer uma visita à padaria do meu bairro para poder fazer a reportagem fotográfica. icon smile Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Vejam um pouco da variedade dos artigos de confeitaria.

Tert

SAM 2227 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria Um doce comum é basicamente por coisas dentro de uma massa amanteigada. Isso é chamado tert por aqui. As tortinhas mais comuns são tert di pruim (torta de ameixa) e tert di coco (torta de côco).

 Cocada

SAM 2232 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Assim como no Brasil, existe uma grande variedade nos tipos de cocada. A mais comum ou tradicional é a branca ou com colorantes.

SAM 2231 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

 

Existem as feitas com açúcar mascavo e outras feitas com amendoim.

SAM 2254 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padariaTambém tem as feitas com leite condensado e as feitas com leite em pó.

SAM 2253 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padariaE finalmente a cocada de amendoim (esquerda) e o famoso dente de cachorro (djente di cacho) à direita, que nada mais é que uma cocada feita com côco em pedaços.

Bolos

SAM 2257 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Uma das poucas palavras que o papiamento de hoje em dia tem em comum com o português é a palavra bolo. Nas padarias nunca falta uma sessão de bolos brancos com diversos recheios: doce de leite (aqui chamado caramelo), chocolate ou creme. Bolo branco aqui é chamado de bolo di manteca.

SAM 2246 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Também sempre estão presentes os cupcakes e mini-cupcakes.

SAM 2235 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Em Aruba, segue-se a tradição holandesa de vender bolos em porções já cortadas e embaladas. Cortar e pesar ao gosto do freguês nem pensar. Morro de lombrigas só de pensar na amor aos pedaços…

SAM 2236 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Bolos tradicionais como de gelatina colorida, de chocolate, de cheesecake ou de tiramisú.

2012 12 13 08.08.55 Comidas típicas de Aruba   doces de padariaEsse é o meu favorito: bolo di cashupete (castanha de caju). Amo de paixão: é um bolo com creme de castanha de caju moída com açúcar e manteiga. Quem experimenta não esquece jamais! É o mais caro, isso é verdade, mas castanha de caju é cara em todos os países que eu conheci. Se alguém souber de um lugar onde a castanha de caju seja barata, me avisa que vou lá me acabar de tanto comer.

Donuts

SAM 2258 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Os donuts, com glacê, sem glacê, recheados ou não também são consumidos no café-da-manhã. Antes de sair do Brasil, a idéia de comer um doce no café-da-manhã me parecia estranha, mas depois de morar oito anos na Espanha e dois em Aruba, acabei me acostumando com a idéia.

 Flappen e tortas

SAM 2228 640x4801 Comidas típicas de Aruba   doces de padariaUm doce tradicional holandês é o appelflap, muito comum de encontrar por aqui. O conceito é simples; põe-se um pouco de geléia de maçã dentro de um pedaço de massa folhada. Aqui em Aruba, o povo foi além e criou variações com ameixa (arubiano adora ameixa e passas) e com creme de baunilha. Sabe aquelas tortinhas de morango que tem no Brasil? Aqui também costuma ter, mas como agora não é época de morango, surgem variações com frutas diversas.

Cookies

SAM 2238 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padariaOs biscoitos amanteigados aqui são conhecidos pelo nome em inglês e às vezes podem ter alguma variação, como recheios.

Oreya

SAM 2240 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padariaOlha a orelha aí, gente! Esse pão meio caramelizado recebe esse nome porque seu formato supostamente lembra as orelhas de um elefante. icon razz Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

 Bolita di tamarijn

SAM 2250 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

Eu nunca experimentei esse aí porque eu achava que era feito de amendoim (que eu detesto), mas agora que descobri que é de tamarindo, vou me arriscar.

Dulce de leche, kakinja e chupa bebe

SAM 2247 640x480 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

 

Os nomes são diferentes, mas os sabores conhecidos. O que se conhece como dulce de leche aqui em Aruba é o nosso doce de leite ninho, o tal kakijna (pronucia-se caquinha) é o nosso puxa-puxa e o chupa bebe (diz-se chupa bêbe) é aquele docinho tipo pirulito, mas transparente. Não consigo me lembrar o nome, mas sei que tem no Brasil sim.

Vla hoorntjes e tompouce

 

SAM 2256 480x640 Comidas típicas de Aruba   doces de padaria

 

E por fim, duas iguarias holandesas fáceis de achar aqui no meu cafofo caribenho: vla hoorntjes (chifres de vla) e tompouce (pronuncia-se tompús). O tompouce é o doce favorito do maridão (às vezes ele mente que perde para o meu pavê, mas eu não acredito). Já eu prefiro um vla de supermercado, bem geladinho para comer com colher. E vocês? Alguém aí ficou com lombriga?

Nossa semana no Radisson – a estrutura

SAM 0916 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

 Chegou a hora de contar como é a estrutura do Radisson. A importância da estrutura costuma variar segundo o perfil do viajante. Como o Radisson é um resort, ele busca atender aqueles que, se quiserem, podem passar suas férias inteiras no hotel, então eles tem o pacote esperado: bares, restaurantes, lojinhas, spa, kids club e cassino.

Restaurantes

O Radisson tem três restaurantes e um bar. No site deles, eles anunciam um quarto restaurante chamado La Playa Torchlight Dinner, só que isso, na verdade, é uma opção de jantar na praia que eles oferecem, com tochas iluminando. Não cheguei a procurar o preço. O restaurante principal, que só abre para jantar, é o Sunset Grille, que fica no térreo da torre Aruba. Não comemos lá nenhum dia, então dele só tenho foto.

SAM 0814 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Uma parte das mesas fica com vista para praticamente toda a área externa do hotel

O outro restaurante chama-se Laguna e fica ao lado do lobby da torre Curaçao. Ele só abre para café-da-manhã e funciona em esquema de buffet. Não sei vocês, mas eu amo aquela fartura de café-da-manhã de hotel. Só comemos lá um dia, a família toda. Custa $25 e crianças menores de 5 anos não pagam.

SAM 0949 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Para entrar é preciso cruzar uma pontezinha charmosa

SAM 0863 640x4271 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Mesa de pães e bolos

Um choque cultural que eu continuo tendo em Aruba é a questão do café. Nem vou repetir aquela história do café aguado. Sim, é aguado, a não ser que você peça café expresso, sempre vai ser aguado. Mas, para mim, o problema é no café-da-manhã dos hotéis, onde não dá para pedir expresso. Eu gosto de tomar café com leite de manhã. E o problema começa por não conseguir leite. Esses três recipientes abaixo contém leite gelado nas versões integral, semi-desnatado e desnatado. Porque para os americanos, a única função do leite é para tomar com os cereais supostamente saudáveis e mega açucarados. Nos hotéis do Brasil e da Espanha, além de normalmente existir leite quente disponível nos buffets, sempre tem aqueles sachezinhos de café solúvel ou de achocolatados. Aqui em Aruba não. O café, eles costumam servir na mesa e é aquela coisa transparente. A versão americana de café com leite é por um pouco de leite concentrado, quase um creme de leite, que vem em jarrinhas super pequenas, menores que uma xícara de café brasileira que são misturados com o café aguado. Como eu preciso de leite morno de manhã para sentir que acordei, eu pedi para o garçom, super atencioso. Quando eu falei que queria café com leite, ele apontou para o café aguado e o leite concentrado, falou que era só misturar. Como ia demorar muito para explicar o que eu queria, perguntei se tinha como tomar leite com achocolatado. Ele falou que ia pedir para prepararem dentro e que me trazia. Logo depois chegou. Até que era mais ou menos o que eu queria, com o detalhe que fizeram com leite desnatado e obviamente não tinha sabor. Mas aí acho que deve ter sido falha minha por não ter especificado que queria leite integral. Enfim…

SAM 0865 640x4271 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Mesa de leites e cereais

Daí vem a minha parte favorita do café-da-manhã: os ovos. No Laguna tem uma estação de omeletes em que a atendente prepara o omelete com o recheio que você quiser: cebola, queijo cheddar, queijo gouda, bacon, presunto, pimentão, cogumelos, tomate e não me lembro mais o quê. Delícia!

SAM 0868 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

A moça simpática prepara o omelete na hora.

Os bagels (pão típico de Nova York) são obrigatórios em qualquer café-da-manhã de hotel arubiano. Na parte de opções quentes tinha ovos mexidos, pastechi (pastéis típicos de Aruba), salsichas, bacon, batatas cortadas grandes fritas e outras opções que eu não me lembro, sorry. Breakfast buffet para mim é sinônimo de omelete e acabo não dando bola para as outras coisas.

SAM 0870 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0869 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Estação de frios, queijos e iogurtes

O restaurante tem uma varanda grande, onde dá para tomar café-da-manhã olhando os jardins e à beira de um laguinho com peixes.

SAM 0875 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0877 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0890 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Mas, como bons arubianos, meus sogros preferiram ficar dentro. Arubiano não vive sem ar condicionado, galera, vocês não tem idéia.

SAM 0871 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Olha a nossa mesa lá no fundão

Outro restaurante é o Gilligan’s, que fica na praia. É o único que serve as três refeições do dia e o único que serve almoço. Lembrem-se que almoço aqui significa almoço americano, que pode ser sanduíche, salada ou sopa. Não comemos lá nenhuma vez, mas no ano passado tivemos amigos que se hospedaram no Radisson e que sempre comiam lá. Eles gostavam e eu me lembro que eles sempre compravam uma salada de frutas gigantesca que dava para toda a família.

SAM 0917 640x4271 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Para completar o time, existe o bar Mira Solo. Ele fica no mesmo nível do saguão da torre Aruba, que está no alto, com uma vista para toda a área externa do hotel. Como em Aruba o sol se põe no mar, beber uns coqueteizinhos olhando o sol se por, não é nada mal ;). Só fomos ao Mira Solo na terça-feira, que é o dia de boca livre, huahuahua. Toda terça tem drinks à vontade e sorteios a partir das 18h. São sorteados mimos como massagem no spa Larimar, um jantar para dois e fichas para o cassino. Não ganhamos nada, apesar do nosso grupo ser grande (deixaram eu preencher um papel até no nome da filhota), mas valeu pelas duas piñas coladas deliciosas. icon biggrin Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0923 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0819 640x4271 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0826 640x4271 Nossa semana no Radisson   a estrutura

PA021466 640x480 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Na faixa! :)

SAM 0820 640x4271 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Kids Club

Eu sou de opinião que kids club em resort chama-se baldinho, areia e piscina, mas para quem gosta ou acha que vai precisar, fui ver como era o kids club. Ele fica do lado esquerdo da área externa do hotel e basicamente é uma salinha que oferece serviço de babysitter.

SAM 0904 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

No dia que eu fui ver só tinha uma menina, de uns 10 anos, que os pais estavam deixando em período integral porque iam fazer um tour. Eu achei chato, por vários motivos: não tinha nenhuma outra criança, então ela ia ter que ficar o dia inteiro em companhia do monitor, a área externa do Radisson é enorme, com muito espaço para uma criança se divertir de maneira mais saudável que ficar dentro de uma salinha, só que o monitor não pode levar a(s) criança(s) para a piscina. Algo que eu até entendo, por razões de segurança. Mas, enfim, para quem quiser saber como funciona, eu tirei foto inclusive da tabela de preços. No ano passado, nossos amigos canadenses usaram os serviços do kids club algumas vezes, mas eles têm gêmeas, então, pelo menos uma faz companhia para a outra. Vale lembrar que o kids club só aceita crianças de 4 a 12 anos e que os monitores falam inglês e espanhol.

SAM 0905 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0906 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0907 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Lá pelas duas ou três horas da tarde, eu voltei ver a menina que estava no kids club. Acho que ela cansou de ficar lá dentro e pediu para ver a piscina. No final, ficaram ela e o monitor sentados à beira da piscina, sem poder entrar. Achei bem incompreensível, considerando que pela sua idade, ela poderia ir a qualquer tour pela ilha.

Lojas

Na torre Aruba fica a maior loja de conveniência do Radisson: é uma loja bem grande e com artigos variados. Tirei umas fotos para mostrar a variedade. Logo de cara, tinha uma vitrine do Britto, o recifense radicado em Miami considerado o novo Picasso por alguns.

SAM 0939 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0941 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0942 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

SAM 0944 427x640 Nossa semana no Radisson   a estrutura

No lobby da torre Curaçao tem outra lojinha de conveniência bem menorzinha.

SAM 0952 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Na torre Aruba tem uma versão mini de uma das maiores joalherias de Aruba. A ilha é famosa pelo preço e variedade de suas jóias. Dizem que aqui as jóias custam uns 30% a 40% menos que nos EUA e por isso muitos turistas americanos reservam uma graninha para comprar jóias por aqui.

SAM 0937 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Cassino

O cassino do Radisson tem uma das entradas pelo saguão principal e está na torre Bonaire. Eu até pensei em ir dar uma olhada algum dia à noite, mas essa história de ficar debaixo do sol o dia inteiro cansa tanto que nas duas noites que dormimos lá acabamos dormindo super cedo, então fica só a foto para contar a história.

SAM 0936 640x427 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Outros

Vale a pena comentar que no saguão tem um caixa eletrônico que aceita cartões do Brasil para o saque, então nem se preocupe em viajar com dólares ou florins. Como eu expliquei antes, é possível sacar dinheiro aqui com cartões do Brasil, desde que o banco brasileiro permita saques no exterior.

SAM 0946 427x640 Nossa semana no Radisson   a estrutura

Também vale a pena comentar que em todos os corredores existem máquinas de gelo. E nos quartos tem um balde de gelo, então vale a pena trazer uma bolsa térmica e comprar cervejas ou refrigerantes num supermercado.

O que faltou eu ver: não cheguei a ver o spa, mas sei que ele está aí. Spa no Brasil não sei porque é conhecido com um lugar de regime, mas fora do Brasil é um lugar que faz tratamentos de beleza, especialmente massagens e limpezas de pele “light” que tem menos a ver com tirar os cravinhos e mais a ver com massagem facial e máscaras cheirosas.

Ufa! Acho que falei de tudo o que vi. Agora fica faltando a minha parte favorita: a área externa. Aguardem as cenas dos próximos capítulos…

Carubbian Festival – uma reportagem fotográfica

SAM 0769 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

Eu já falei um pouco do Carubbian Festival aqui, mas como uma imagem vale mais que mil palavras, uma reportagem fotográfica e com vídeo vai dar uma ótima idéia do que se trata. A oportunidade para as fotos veio na semana passada, quando foi inaugurado o posto de informações turísticas de San Nicolas, desenhado pelo meu querido marido. Olha só que lindão que ficou:

SAM 0811 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0810 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0807 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

A inauguração teve show de música típica

O Carubbian é uma festa popular, promovida pelo ministério de turismo, que tem a intenção de preservar e mostrar a cultura popular, com música, artesanato e comidas típicas. Ele acontece em San Nicolas, todas as 5ªs feiras, das 18h às 22h. Os hotéis costumam vender um pacote que dá direito a transporte, ao show (que é a única parte paga do festival) e fichas para gastar lá – toda a comida vendida pode ser paga com fichas. Para os mais aventureiros, também é possível ir de ônibus de linha, que sai direto dos hotéis e cujo ponto final é bem na rua do festival.

SAM 0761 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0770 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0763 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0757 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

Artesanato local

SAM 0774 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

Eu, que sou do tipo que sempre está precisando de um brinco novo, adoro esse tipo de banca.

SAM 0775 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0800 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0795 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0799 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

Outro motivo para ir ao Carubbian é conhecer o lendário Charlie’s Bar. Esse é um bar que existe há 71 anos, e, como tudo em San Nicolas, nasceu em função da refinaria. Dizem que a comida é ótima, mas o que chama a atenção mesmo é a decoração feita com milhares de badulaques trazidos por clientes. As pessoas costumam levar para lá alguma coisa típica do seu país ou da sua cidade e isso passa a fazer parte da decoração do bar.

SAM 0781 427x640 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

SAM 0784 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

Não dá pra ver muito bem, mas o lugar é apinhado de tranqueiras, inclusive o tetol

SAM 0783 640x427 Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

A verdade é que visitar San Nicolas é atração turística até para nós de Oranjestad. O perfil da população é totalmente outro, inclusive lá é mais comum escutar inglês que papiamento. Em termos de perfil de habitantes é como se houvessem duas Arubas. Os moradores de Oranjestad, de modo geral, são de uma colonização mais antiga. Aruba  - ao contrário de Bonaire e Curaçao – nunca teve escravos. Para quem não sabe, os holandeses foram grandes mercadores de escravos e eles usaram suas colônias na época: Suriname, Curaçao, Bonaire e Sint Maarten como entreposto para o comércio negreiro. Aruba foi colonizada depois que a escravidão já tinha acabado, então quando os holandeses decidiram colonizar Aruba, os habitantes eram basicamente indígenas. De lá pra cá já houve muita miscigenação e muita imigração: de holandeses, chineses, filipinos, de muitos países sulamericanos e também de outras ilhas do Caribe. Mas, quando você pensa num arubiano da gema, tipicamente, ele não vai ser negro nem mulato.

Até que veio a refinaria, instalada em San Nicolas. Quando a refinaria veio, a cidade nem existia. Ela passou a existir como moradia para os trabalhadores dela. E esses trabalhadores vieram, em sua quase totalidade, de outras ilhas do Caribe. A quase totalidade das ilhas caribenhas fala inglês, as ilhas que, como Aruba, não tem o inglês como sua língua materna são exceção, o inglês é falado na grande maioria das ilhas. Então habitante típico de San Nicolas é negro, tem o inglês como sua língua materna e é protestante. Outra contribuição dos imigrantes que vieram para San Nicolas foi a parte musical. Foram eles que trouxeram os ritmos caribenhos que deram início ao carnaval arubiano 58 anos atrás.

Então, para finalizar, vou deixar um vídeo do Carubbian, com casais dançando merengue, que é um ritmo originário da República Dominicana e que não tem nenhum arubiano que não saiba dançar. icon smile Carubbian Festival   uma reportagem fotográfica

Carubbian Festival

Minha comemoração de aniversário

SAM 0277 640x427 Minha comemoração de aniversário

Dia 4 foi meu aniversário e resolvemos comemorar num dos nossos restaurantes favoritos, o Blossoms. Aliás, a temporada de aniversários em setembro está alucinante: estamos tendo uma média de 3 por semana. Na próxima é o aniversário da filhota e por isso não costumo fazer nada no meu. Festa de criança sempre tem aquelas preparações trabalhosas, como fazer convite, comprar coisas do tema, preparar os saquinhos surpresa, comprar os badulaques da pinhata e como a família do meu marido é grande, eu não tenho ânimo de receber mais de cem pessoas duas vezes no mesmo mês.

Fazia muito tempo que não íamos ao Blossoms, que é um restaurante asiático cujo forte é o show nas mesas de teppanyaki. Teppan yaki significa carne na chapa em japonês e os restaurantes de teppanyaki são muito populares nos EUA e, consequentemente, não podia faltar em Aruba. Pelo o que me consta, na versão brasileira, a carne e os legumes são levados para a mesa numa chapa, mas fora do Brasil, esse tipo de restaurante costuma incluir um show. Os clientes se sentam em cadeiras postas em forma de U ao redor de um balcão e no centro tem uma chapa, onde o chef prepara o yakimeshi, os legumes e a carne na frente dos clientes, normalmente fazendo malabarismos com os talheres, com os ovos e fazendo desenhos com o yakimeshi. Em cada mesa com show sentam-se até quinze pessoas, o que significa que, a não ser que você esteja num grupo grande, vai se sentar com outras pessoas. Na nossa mesa haviam dois outros casais, todos turistas americanos, muito sociáveis e falantes, como costumam ser.

Uma das coisas que gostamos (principalmente a filhota) no Blossoms é a decoração, cheia de efeitos com água.

SAM 0250 640x427 Minha comemoração de aniversário

SAM 0252 640x427 Minha comemoração de aniversárioSAM 0282 640x427 Minha comemoração de aniversário

 

O menu era simples, algumas opções de entrada e na seção de prato principal, basicamente o que você tem pra escolher são os tipos de carne que quer, porque o menu já inclui uma sucessão de pratos. Acabamos pedindo um tempurá de entrada, mas nem devíamos, porque acabamos não conseguindo terminar nossa comida de tão cheios. Os preços do prato principal variavam de uns $27 a $39, dependendo do tipo de carne. Pedimos dois special of the day, que naquele dia era um mixto de carne, frango e camarão.

A refeição começou com uma saladinha. Tomei uma piña colada para acompanhar aproveitando que não estava dirigindo. icon biggrin Minha comemoração de aniversário

SAM 0253 640x427 Minha comemoração de aniversárioEm seguida havia duas opções de sopa, escolhemos a de frango (não me lembro qual era a outra). Na verdade é mais um caldo porque do frango mesmo, nem sinal.

SAM 0257 640x427 Minha comemoração de aniversário Depois veio o tempurá que tínhamos pedido à parte.

SAM 0259 640x427 Minha comemoração de aniversárioA seguir, chegou o chef e começou o show. O primeiro truque que ele fez foi acender um fogo que assustou tanto a filhota, que demoramos quase dez minutos para que ela se acalmasse e aceitasse sentar-se na mesa outra vez. Por isso, fica um aviso aos pais de crianças pequenas: talvez seja uma boa idéia pedir ao chef para saltar essa parte do fogo. O resto do show, achamos bem fraquinho, talvez porque tenhamos tido um chef tão bom da última vez, que fazia tantos truques, que ficou aquela expectativa na nossa cabeça. Ele, por exemplo, só fez um desenho com o arroz enquanto o outro fazia vários, realmente brincava com a imagem. Então, a questão do show acaba dependendo muito de sorte, porque pelo visto, o nível dos chefs não é igual.

SAM 0261 640x427 Minha comemoração de aniversário

 A quantidade de comida acabou superando a nossa fome.

SAM 0268 640x427 Minha comemoração de aniversário

Para finalizar, faz parte do menu um sorvetinho. Como meu marido tinha avisado que era meu aniversário, o meu veio bem grandão, com uma daquelas velas que parecem um foguete e os garçons vieram cantar parabéns para mim.

SAM 0273 640x427 Minha comemoração de aniversário

A conta veio salgada, mas isso já sabíamos, saiu $114. Tínhamos pedido dois pratos, um tempurá de entrada e umas 4 bebidas. Os 15% do serviço vieram incluídos na conta. Resumo da nossa experiência: ficamos decepcionados com o show, que foi a maior razão de termos ido lá, mas a comida era farta e gostosinha. Bom, eu achei a carne salgada, meu marido achou normal, mas talvez seja porque eu ando usando cada vez menos sal, então pode ser uma questão de paladar.

Você já comeu em restaurante teppanyaki? Deixa o seu relato aí pra gente comparar nossa experiência. icon wink Minha comemoração de aniversário

Dicas para economizar na sua viagem a Aruba

  • Venha na baixa estação local: entre maio e novembro. Os meses de outubro e novembro são um pouco mais chuvosos (apesar que menos que o verão brasileiro), mas os outros tem o melhor dos mundos: preços baixos, bom tempo, praia e piscinas relativamente vazias.
  • Compare os preços dos hotéis. Apesar de julho ser um mês de baixa estação em Aruba, algumas operadoras de turismo cobram preços iguais aos de janeiro para os turistas incautos. Então, nada melhor que procurar ofertas por si mesmo, comparando os preços do próprio site do hotel, além de sites confiáveis de reservas, como booking, expedia, hotels ou bookit. O preço médio da diária em janeiro costuma ser 50% mais alta que em julho.
  • Abra mão de certas coisas. Claro que se todo mundo pudesse ficaria uma longa temporada no resort mais luxuoso, mas se você não puder, eleja os critérios mais importantes para você: melhor praia ou agitação noturna, passar o dia no hotel ou fazer muitos passeios, comodidade ou aventura, pé na areia ou atravessar a rua.
  • Amplie seu leque de opções. Aruba tem muita, mas muita variedade no quesito lugares para se hospedar. Os resorts de Palm Beach são só uma parte desse leque. Aqui também é possível se hospedar por menos de cem reais a diária, o que possibilita uma estadia mais longa para quem gosta.
  • Não se hospedar num hotel que não seja pé na areia não significa ficar longe da praia. Alguns hotéis não são pé na areia, mas estão exatamente em frente, você só tem que atravessar uma rua bem mais estreita e menos movimentada que a Vieira Souto ou a rua de Boa Viagem, em Recife. E eu nunca ouvi ninguém reclamar que teve que atravessar a rua nos excelentes hotéis à beira mar do Brasil. A foto abaixo foi tirada no portão de um hotel que fica em Eagle Beach. Vejam a distância do hotel à praia. A diária de um hotel que não seja pé-na-areia pode custar menos que 1/3 do preço de um resort.
SAM 7727 640x480 Dicas para economizar na sua viagem a Aruba
  • Não tenha medo de “passar fome” se ficar em Eagle Beach ou Oranjestad. Um dos comentários mais bizarros que eu já vi foi alguém dizer que se você se hospedar em Eagle Beach vai ter que pegar um táxi para ir comer. Todos os hotéis de Eagle Beach tem, pelo menos um restaurante grande e uma lanchonete. A maioria tem uns quatro restaurantes, que variam no tema: pizzaria, carnes grelhadas, etc. Isso significa que no mínimo você vai ter o restaurante do próprio hotel e os restaurantes dos hotéis que estão ao redor dele. Há menos de dois meses, o cassino Alhambra inaugurou um shopping atrás dele com várias opções para comer e comprar. O shopping fica bem em frente aos hotéis Casa Del Mar, Aruba Beach Club e Manchebo e acrescenta ainda mais opções de lugar para comer within walking distance. Além disso, Eagle Beach é a região com restaurantes mais sofisticados de Aruba, seja por restaurantes de renome que ficam dentro de hotéis ou por aqueles que ficam à parte. Em Oranjestad, você vai ter uma variedade enorme de restaurantes (os meus preferidos ficam lá, aliás), é o lugar de compras por excelência e os preços serão mais acessíveis.
  • Se você quiser passar uma longa temporada e não tem muita grana, procure pousadas (apartamentos). Leia o post onde eu explico em detalhes esse tipo de hospedagem.
  • Todos os restaurantes oferecem água com gelo aos clientes. Isso porque a água encanada de Aruba é de excelente qualidade e os locais têm muito orgulho disso. Os garçons ficam passando e enchendo o copo dos clientes com a maior boa vontade. Se não não fizer questão de pedir alguma bebida, não tenha vergonha. Eu mesma nem sempre peço algo para beber quando comemos fora, isso porque água para mim já está de bom tamanho.
  • Sempre pergunte ao garçom se o restaurante tem algum menu especial. Aqui é muito comum que eles ofereçam um menu com opções reduzidas e ótimo preço. São super comuns por exemplo: Christmas menu (menu de natal), Easter menu (menu de páscoa), Koningsdag menu (menu de dia de aniversário do rei) entre outros. Então, na dúvida, sempre pergunte, que você pode ter uma boa surpresa, como nós tivemos. Além dos menus de datas festivas, a grande maioria dos restaurantes oferece o early bird menu, para clientes que vêm jantar antes das 19h.
  • Se você gosta de beber na praia, uma boa dica (dada por uma amiga experiente) é comprar garrafinhas de destilados no free shop da vinda. Você pode colocar as garrafinhas na bolsa ou no bolso e gastar só com um refrigerante ou suco daí você aproveita a sua bebida para preparar o seu próprio drink sem gastar tanto.
  • Outra coisa que vale a pena são pequenas bolsas térmicas. Todos os hotéis tem sua própria máquina de gelo à disposição dos hóspedes. Se você for alugar carro, vale a pena passar no supermercado para se abastecer com latinhas de bebida ou mesmo água e evitar os preços excessivos dos bares de praia.
  • Não tenha medo de preparar seu lanchinho no buffet de café da manhã. Se você sair do buffet com alguma fruta e um sanduíche, ninguém vai te olhar feio. Os turistas americanos e canadenses sempre fazem assim e todo mundo está acostumado.
  • Aluguel de carro em Aruba é bem mais barato que no Brasil. Na baixa temporada, diárias a partir de $35 e na alta a partir de $42. Não existe uma locadora com os melhores preços. O mercado é bem competitivo e eles vivem fazendo promoções, assim que sempre pesquise e compare.
Para finalizar, uma anedota: em fevereiro eu conheci uma família de gaúchos que veio por um mês. Eles ficaram numa pousada no meio da ilha, pagando menos de cem reais a diária. Alugaram carro, fizeram todos os tours das operadoras e conheceram todas as atrações que quiseram, além de ir para Curaçao por 4 dias. Eles davaram risada dizendo que seus amigos pensavam que eles estavam nadando em dinheiro, quando na verdade tinham gastado menos que gastariam pelo mesmo tempo no litoral do Brasil.

Baby Beach e Rodgers Beach

baby beach rodgers beach 20 Baby Beach e Rodgers Beach

Baby Beach e Rodgers Beach são duas praias que ficam ao lado da refineria Valero, em San Nicolas. Nos anos 30 do século XX, elas ficavam dentro de um condomínio fechado onde moravam altos funcionários dessa empresa. E os moradores desse condomínio resolveram fechar uma parte da praia com concreto e pedras para que ela ficasse mais protegida da forte correnteza daquela zona. Com o tempo, essa enseada foi enchendo com areia, o que deixou o mar bem rasinho dentro dela e recifes se formaram fechando a enseada ainda mais. E assim, com a colaboração dos homens e da natureza nasceu Baby Beach, uma das praias mais famosas de Aruba.


Como chegar

Você pode ir de carro alugado, de táxi (sai bem mais caro que alugar carro por um dia) ou contratar transporte com alguma operadora (eles te deixam lá de manhã e te bucam no final da tarde). Se você for dirigindo, a primeira sugestão que eu faço é não tomar o caminho do litoral, principalmente se for durante a semana. Nos dias de semana, o trânsito pára no trecho que passa pelo centro e você pode demorar quase meia hora entre o porto e a marina (1 km). Por isso, o caminho que nós costumamos fazer entre a área dos hotéis e San Nicolas é o que começa na rotatória que está ao lado do Pizza Hut. Se você quiser ter uma experiência local mais completa, aproveite e dê uma paradinha na padaria Bright Bakery, que é a maior padaria de Aruba, além de ser a do meu bairro :-). Lá tem os melhores salgadinhos da ilha: não deixe de experimentar um dos sabores de pastechi (uma espécie de pastel com massa mais grossa), ou escolher entre croquetes, chesse balls ou mini-pizzas. Você vai estar pagando um preço local, em florins, em vez de pagar os preços típicos de lugares turísticos.

Quando você chega a San Nicolas, praticamente não existe sinalização para chegar às praias e a maioria dos turistas que aluga carro comenta que se perde neste trecho. Para que isso não aconteça, vocês tem duas opções: se usarem celular com internet, podem abrir esse mapa no caminho ou imprimir antes de ir e economizar o roaming.

View Mapa para Baby Beach in a larger map




Baby Beach


Eu acho melhor começar dizendo que existe uma refinaria bem à vista no lado direito da praia. E digo isso porque, depois de ler grande parte dos comentários do tripavisor sobre a praia, eu notei que o grande motivo pelo qual algumas pessoas se decepcionam com ela é porque existe a visão da refinaria com suas chaminés num lugar que deveria ser paradisíaco. Então para que fique bem claro, a não ser que você se posicione estrategicamente de costas para a refinaria, a sua visão à direita vai ser esta.

baby beach rodgers beach 10 Baby Beach e Rodgers Beach

Dito isso, vamos à praia. Eu estou adorando fazer mapas personalizados no Google Maps, acho que fica bem mais fácil e explicativo. Por isso, se você estiver planejando uma visita a Baby Beach e Rodgers Beach, clique no link para ver o mapa em tamanho grande porque tem algumas coisas que eu marquei que não aparecem na imagem abaixo.


View Baby Beach in a larger map 

No canto superior esquerdo do mapa, existe um pin vermelho marcando Rodgers Beach e toda a enseada que se vê desde cima é Baby Beach. Você vai chegar pela esquerda do mapa e logo na chegada existe um estacionamento grande, passe reto por ele e siga adiante para o 2º estacionamento. O trecho da praia na frente deste estacionamento é bem melhor que o trecho da esquerda que se vê no mapa. O motivo: o trecho da esquerda é bem pedregoso, como dá para ver pela imagem do satélite e também tem mais correnteza.

baby beach rodgers beach 13 Baby Beach e Rodgers Beach

Estrutura de Baby Beach – Sombra

Na praia existem várias palapas espalhadas que dão sombra. Essas palapas são públicas, o que significa que ninguém pode te cobrar nada para ficar lá e também significa que você pode ter que dividi-la com outras pessoas sem reclamar :p. Além disso existem árvores que dão bastante sombra também, mas se você chegar muito tarde, tudo vai estar tomado e só vai restar a terceira opção de sombra, que são as estruturas para duas espreguiçadeiras, alugadas a $35 mais $9 por espreguiçadeira. Essas espreguiçadeiras são para uso individual e se eles virem duas pessoas sentando-se nela, eles vem e recolhem! Já li depoimentos de turistas que surtaram por causa disso, mas não tem muito o que reclamar, porque essa regra está escrita e exposta na praia.

baby beach rodgers beach 14 Baby Beach e Rodgers Beach

Nós chegamos justo no momento em que uma das palapas grandes estava esvaziando. Aproveitamos, colocamos nossas coisas na mesinha de um poste e fomos para o mar. Meia hora depois já tinha dois outros grupos de turistas que estavam pendurando suas coisas nos outros postes e inclusive colocaram suas cadeiras lá embaixo. Fazer o que? É uma estrutura de uso público…

baby beach rodgers beach 2 Baby Beach e Rodgers Beach

baby beach rodgers beach 3 Baby Beach e Rodgers Beach

Palapa pequena

baby beach rodgers beach 11 Baby Beach e Rodgers Beach

O conjunto de 2 espreguiçadeiras mais guardasol custa U$ 53

baby beach rodgers beach 28 Baby Beach e Rodgers Beach

Sombra grátis e natural

Estrutura de Baby Beach – comida e banheiros

Do lado ruim da praia, em direção à refinaria, existe um restaurante grande que tem ótimos banheiros, grandes e limpos. Nunca comi no restaurante, não saberia dizer se é bom nem os preços, mas já usei os banheiros (gratuitos) e recomendo. O problema é que você provavelmente vai estar do outro lado da praia e lá só existem dois botecos com banheiros do tipo mais rústico. Não precisei entrar nos banheiros, que custam $0,50, mas tirei a foto:

baby beach rodgers beach 24 Baby Beach e Rodgers Beach

baby beach rodgers beach 25 Baby Beach e Rodgers Beach

Também não experimentei a comida, porque como eu disse antes, nós preferimos comprar salgadinhos na nossa padaria e levar para quando batesse a fome. Estes são os botecos que, além de vender comida e bebida, alugam equipamento para snorkel e espreguiçadeiras. A variedade da comida é bem pequena: cheeseburger, camarão frito, frango frito e batata frita.

baby beach rodgers beach 23 Baby Beach e Rodgers Beach

baby beach rodgers beach 27 Baby Beach e Rodgers Beach

 

Baby Beach – a praia

Infelizmente no dia que fomos o céu estava nublado, então as fotos não mostram bem a beleza do lugar, mas Baby Beach é tudo o que se espera de uma praia: areia branquinha, mar azul bebê incrivelmente transparente, limpíssimo, muito peixinhos nadando perto da orla e ainda por cima, você pode andar muitíssimos metros em direção ao mar e ainda ter água na sua cintura. Tudo isso nesse trecho que eu marquei no mapa com uma pessoa nadando. Essa parte da praia, se você visualizar um triângulo formado pela praia e pela barreira de cimento e pedras, é muito tranquila e indicada para crianças e gente que não sabe nadar.

baby beach rodgers beach 9 Baby Beach e Rodgers Beach

Essa parte escura da água são algas

 baby beach rodgers beach 17 Baby Beach e Rodgers Beach

baby beach rodgers beach 22 Baby Beach e Rodgers Beach
baby beach rodgers beach 29 Baby Beach e Rodgers Beach

E se você gostar de caminhar, poderá ir bordeando a enseada e descobrir paisagens bem bonitas.

baby beach rodgers beach 30 Baby Beach e Rodgers Beach

Olha as palapas e guardassóis lá longe… Foto perto da entrada da enseada

baby beach rodgers beach 31 Baby Beach e Rodgers Beach
baby beach rodgers beach 32 Baby Beach e Rodgers Beach
baby beach rodgers beach 33 Baby Beach e Rodgers Beach

 

Baby Beach – snorkel e condições de segurança

 

Baby Beach é considerada um dos melhores pontos de snorkel de Aruba e a razão é simples: a vida marinha é abundante e a água é rasinha e calma, o que a torna muito segura…será? Leia o início do post outra vez. A enseada de Baby Beach foi construída pelo homem, exatamente porque essa zona é uma zona de mar bravo e correnteza forte. Agora veja o mapa de Baby Beach com a vista do satélite: note como é visível a força da correnteza.

No entanto, a maioria dos turistas que fazem snorkel se ilude pelo trecho piscinão e encantados pela vida marinha, se distraem e acabam arrastados para a entrada da enseada, naquele trecho onde eu pus um sinal de atenção no mapa. Uma coisa que poucos turistas sabem e nenhum site de turismo gosta de noticiar é que Baby Beach é palco de muitos afogamentos. Eu não sei qual é a estatística, mas eu moro há menos de 2 anos em Aruba e já soube de 4 fatalidades lá. Em todos os casos os afogados estavam praticando snorkel.

O governo pelo jeito já percebeu que é preciso tomar alguma atitude e duas semanas atrás, foi anunciado que eles vão contratar salva-vidas para Baby Beach, algo que não existe em nenhuma outra praia em Aruba. Eu espero que além do salva-vidas, eles ponham uma placa sinalizando perigo em alguns trechos porque os afogamentos costumam acontecer muito rápido. Todo mundo que já fez snorkel sabe que debaixo d’água você perde o senso de direção e se você se distrai e vai atrás de um peixinho, pode ser arrastado pela correnteza. A distância da praia até esse trecho da entrada da enseada é considerável, como dá pra notar nas fotos acima e se ainda por cima, a pessoa for arrastada para alto mar, o salvamento fica mais difícil ainda.

O outro sinal de atenção que eu pus fica nessa semi-piscina natural do lado esquerdo do mapa. Esse também é um ponto muito procurado pelos praticantes de snorkel e também tem seus perigos. Nesse trecho, a correnteza tende a puxar a pessoa para alto-mar e exige atenção.

baby beach rodgers beach 34 Baby Beach e Rodgers Beach

Esse é o mar perto da entrada da enseada

baby beach rodgers beach 21 Baby Beach e Rodgers Beach

Turista fazendo snorkeling na parte semi-protegida

Tomando as devidas precauções, fazer snorkel em Baby Beach é fácil, e tanto o centro de mergulho do lado direito quanto os botecos do lado esquerdo da praia alugam equipamento. Eles sempre dão a dica de levar um pedacinho de pão para atrair os peixes e se não for temporada de chuva, vai haver vida marinha em abundância.

baby beach rodgers beach 35 Baby Beach e Rodgers Beach

Lá perto da praia está calminho


Rodgers Beach

Ao lado de Baby Beach está Rodgers Beach, que também fica numa enseada, só que natural. A praia é linda e eu adoraria recomendá-la, mas não dá. Se a estrutura de Baby Beach é precária, em Rodgers ela é inexistente: nenhum banheiro público ou privado, nenhum bar ou vendedor ambulante, ou seja, zero possibilidade de comer ou beber por lá. Além disso, uma parte dela tem uma aparência abandonada, em ruínas mesmo, com algumas partes quebradas e cheias de lixo. No site oficial de turismo do governo, eles anunciam chuveiros e sombra pela praia. A sombra existe: 7 estruturas para sombra, mas chuveiros não vi nenhum. Faz duas semanas que a refinaria anunciou que vai fechar suas portas (e a economia de Aruba   provavelmente vai sofrer com isso), mas quando ela estava funcionando muita gente sentia um gosto estranho na água do mar. Nem quero saber o que pode ser…

Mas, melhor que falar, vou mostrar como está Rodgers Beach. Existe um pier abandonado que divide a praia em duas partes.

baby beach rodgers beach 38 Baby Beach e Rodgers Beach

Assim como Baby Beach, a melhor parte da praia é a que está na direção oposta à da refinaria.

baby beach rodgers beach 36 Baby Beach e Rodgers Beach

A praia é lindíssima

baby beach rodgers beach 40 Baby Beach e Rodgers Beach

Estas são as estruturas de sombra

baby beach rodgers beach 391 Baby Beach e Rodgers BeachDo lado direito do píer, a coisa fica feia, mas mesmo assim tem gente que frequenta.

baby beach rodgers beach 41 Baby Beach e Rodgers Beach
baby beach rodgers beach 42 Baby Beach e Rodgers Beach

Parte da “estrutura” do outro lado

baby beach rodgers beach 37 Baby Beach e Rodgers Beach

Baby Beach e Rodgers Beach – considerações finais

Eu concluo que essas praias recebem muito pouca atenção do setor público, o que é inconcebível considerando que são grandes chamarizes para turistas, que são a base da economia da ilha. A falta de banheiros públicos, por exemplo, é um tiro no pé. As duas grandes queixas que eu li nos comentários do tripadvisor foram a feiúra da refinaria (que não dá para mudar) e a falta de estrutura básica. A própria sinalização para chegar é precária e não custaria muito construir mais palapas ou mesmo banheiros públicos pagos, como são todos da mãe-Holanda. E o abandono de Rodgers Beach é absurdo, nem mesmo caminhão de lixo para recolher a sujeira passa por lá.

Enfim, duas semanas atrás o ministério de turismo anunciou o investimento de alguns milhões de florins para melhoria das praias. Espero que muita coisa mude porque a natureza já fez a parte dela. icon wink Baby Beach e Rodgers Beach

Atualização de fevereiro de 2013: em agosto de 2012 foram instalados uns cartazes sinalizando que deve-se tomar cuidado com a correnteza em certos trechos da praia. Segundo foi noticiado, também foram instaladas cordas com cores específicas demarcando as áreas mais e menos perigosas da praia. A refinaria Valero fechou suas partes há quase um ano, então pelo menos o gosto estranho na água de Rodgers Beach já não existe mais.

pixel Baby Beach e Rodgers Beach